top of page
Buscar
  • Foto do escritorLidia Ferreira

Câncer Ginecológico - Aprendendo Com O Próprio Corpo


Por dia, milhares de mulheres no mundo são diagnosticadas com algum dos cinco tipos de câncer ginecológico. São mães, filhas, profissionais, funcionárias públicas etc que se deparam com uma nova realidade ao qual não estavam preparadas. Se informar sobre quais são os tipos e sintomas desses tipos de tratamentos não só pode salvar vidas como diminuir os #riscos relacionados às possíveis complicações.


Mesmo com tanto acesso à informação ainda precisamos nos educar e estarmos atentos para os sinais que o corpo emite quando algo pode estar fora do normal.


Sempre podemos melhorar como pessoa mas usar desculpas para não se cuidar não pode fazer parte do nosso vocabulário. A falta de tempo não pode ser justificativa para fazer o #autoexame, assim como o receio de encarar os exames não deve ser um impedimento para a busca da prevenção. Por isso, convido você para prosseguir lendo este conteúdo.


Os tipos de câncer ginecológico


Existe uma classificação dos tipos de câncer ginecológicos que afetam mulheres em várias fases da vida. Os cânceres ginecológicos são: câncer no ovário, câncer no endométrio, câncer vaginal ou câncer da vulva e câncer cervical. Vamos entender cada um dos tipos, DEIXANDO CLARO QUE AS INFORMAÇÕES NÃO SUBSTITUEM A OPINIÃO e ORIENTAÇÕES MÉDICAS.


Câncer no ovário - O câncer no ovário é responsável pela morte de mais de 13 mil mulheres nos Estados Unidos. Dividido em 3 categorias ou tipos, o câncer no ovário apresenta alguns sintomas comuns como: sensação de inchaço na região da barriga, aumento da frequência e urgência para urinar, #dores abdominais ou na região da pélvis, dificuldade para se alimentar ou sensação de saciedade rápida. A orientação é que em caso os sintomas citados acima persistirem na mulher por algumas semanas, a mulher deve procurar o #ginecologista o mais rápido possível.


O câncer no ovário possui outras características relacionadas ao aumento de risco de desenvolvimento como: aumento de incidência de casos entre mulheres maduras e principalmente por volta do período da menopausa. Além disso; histórico familiar, incluindo em casos de familiares com histórico de câncer do cólon (independente do gênero) ou do endométrio; histórico de câncer de #mama antes da menopausa e infertilidade.


Para reduzir os riscos: Fazer testes que avaliam os riscos genéticos, o uso de contraceptivo oral, além de ficar atenta aos sinais.


Câncer no endométrio - Também conhecido como o câncer uterino, o câncer no endométrio é o mais comum entre os cânceres ginecológicos. Geralmente ocorre durante o período em torno da menopausa, mas mulheres jovens também podem desenvolver esse tipo de câncer.


Os principais sintomas do câncer no #endométrio são: sangramento vaginal irregular podendo ser com alto fluxo ou não (mais de 90% dos casos), sangramento após a menopausa, dor durante a relação sexual, dor persistente na região baixa do abdômen por mais de duas semanas.


Alguns fatores de risco são: #menopausa tardia, #diabetes, ausência de gravidez, hipertensão, uso do estrogênio por longo prazo. O uso de #contraceptivo oral e uma avaliação pessoal do sinais apresentados pelo próprio corpo.


Câncer vaginal - Esse tipo de câncer apresenta os seguintes #sintomas: dor vaginal, coceira intensa na região vaginal por mais de 1 ou duas semanas, dor ou ardência, mudança da coloração da pele da região, sangramento fora do normal.


A melhor maneira de prevenir o câncer vaginal é o exame de papanicolau ou (HPV), exame visual da região.


Câncer #cervical - Um câncer que nas últimas décadas ganhou uma arma poderosa de combate, que é a vacina HPV, que pode reduzir a chance de até 70% de risco. Os principais sintomas são: odor vaginal, dor, secreção excessiva ou sangramento fora do normal ou período menstrual, principalmente após a relação sexual. Como o câncer cervical é provocado por infecção recorrente relacionada ao papilomavírus.


A forma mais importante de #prevenção é a vacina, principalmente para crianças acima dos 9 anos e antes da primeira relação sexual. Por se tratar de risco de transmitir o #câncer através da relação pais e mães devem garantir o direito da criança receber as doses necessárias dentro do prazo determinado


Vencendo as estatísticas


Existem ações que dependem de uma única pessoa, nesse caso você, mas existem resultados que exigem mais do que simplesmente do cuidado pessoal. Devemos compartilhar informação séria que salva #vidas e participar da campanha de conscientização da prevenção do câncer ginecológico é uma excelente oportunidade de fazer a diferença. Portanto, compartilhe com suas amigas esse conteúdo, mas converse seriamente com o seu médico, mas não se esqueça que o corpo sempre dá sinais, você está atenta ao que seu #corpo diz?








1 visualização0 comentário

Commenti


bottom of page